Início > Notícia > CBF estuda acabar com o sorteio de árbitros no Brasileiro

CBF estuda acabar com o sorteio de árbitros no Brasileiro

20150813162524_0

Em meio à crise de arbitragem, com seguidos erros em jogos decisivos, a CBF estuda acabar com o sorteio para escolha dos juízes do Brasileiro e Copa do Brasil. Utiliza-se de uma brecha da Lei do Profut. A medida seria implantada nesta semana, mas a confederação a adiou para ouvir o governo federal. A ideia é substituir as bolinhas por uma audiência em que os clubes opinariam na definição.

O texto da Lei do Profut estabeleceu alteração no artigo 32 do Estatuto do Torcedor, que trata do sorteio. Pela nova legislação, os árbitros devem ser escolhidos “mediante sorteio, dentre aqueles previamente selecionados, ou audiência pública transmitida ao vivo pela rede mundial (…).”

A CBF entende que, com isso, pode acabar com o sorteio. Durante o sorteio da semana passada, a comissão de arbitragem comunicou os clubes que já não haveria a determinação dos nomes pelas bolinhas para a próxima rodada. “Entenderam que teriam esse poder e avisaram o nosso funcionário. A CBF não tem poder para fazer isso”, afirmou o diretor de futebol do Atlético-MG, Eduardo Maluf, que não gostou da ideia.

O departamento de comunicação da CBF confirmou que havia a intenção de acabar com o sorteio e realizar a escolha de juízes por meio de uma audiência pública. A comissão da confederação definiria um nome, e dois representantes dos clubes diriam se aprovavam o juiz ou não. Só que decidiu adiar o projeto para 2016.

“A intenção era modificar, imediatamente, o sistema. Porém, a CBF avaliou como prudente a manutenção do sorteio até o fim deste ano. Enquanto isso, a entidade vai esclarecer junto à União como funcionaria o modelo de escala por audiência pública”, explicou a CBF.

O sorteio tem como objetivo justamente reduzir o poder da confederação na escala. Sem ele, ficará nas mãos do presidente da comissão, Sério Corrêa, a escolha de todos os juízes. Apesar dos seguidos erros em jogos decisivos no Brasileiro, a diretoria da entidade apoia o responsável pelos juízes.

“A avaliação é de que o trabalho dele é muito bom. Tem imposto disciplina, houve uma melhora da qualidade dos jogos. O balanço é positivo. Esse final de campeonato que é mais tenso”, analisou o secretário-geral da CBF, Walter Feldman. “Os erros de árbitros têm sido punidos. Temos o máximo de transparência.”

Fonte: Blog do Rodrigo Mattos

Anúncios
Categorias:Notícia Tags:
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: