Início > Notícia > Silvia Regina relembra quarteto feminino no Brasileiro Série A

Silvia Regina relembra quarteto feminino no Brasileiro Série A

Beatriz Pinnheiro,
Especial para o site da FPF

Há 14 anos, ainda era novidade ver mulheres na arbitragem do futebol, e foi exatamente por isso que o jogo entre Guarani e São Paulo, no estádio Brinco de Ouro da Princesa, entrou para a história. Naquele 29 de junho de 2003, Silvia Regina, Ana Paula Oliveira, Aline Lambert e Paula Teófilo de la Vega formaram o primeiro quarteto feminino na arbitragem em uma partida válida pela Série A do Campeonato Brasileiro.

Hoje, Silvia Regina integra a Escola de Árbitros da FPF, e recorda a partida em questão, revelando que a princípio não sentiu a dimensão de tudo o que aquele ineditismo representava. “Na época, para mim, foi apenas mais um jogo em uma sequência que eu já vinha cumprindo. Eu já estava bem madura para trabalhar naquela partida e resolver o que tinha que ser resolvido naquele jogo especificamente”, contou.

Mesmo assim, não houve como escapar da repercussão imediata do fato, que acabou entrando para a história do futebol. “Eu me lembro bem de uma manchete no dia seguinte, que dizia: ‘O Brinco de Ouro das Princesas’. A repercussão foi muito grande, lembro que a gente foi em programas esportivos depois, e tudo aconteceu em um momento muito bom. Depois daquilo, fiz muitos outros jogos de Série A do Campeonato Brasileiro”, acrescentou.

Se 14 anos depois, a presença feminina já avançou alguns passos no futebol – seja na arbitragem em jogos de alto nível, jogando ou nas arquibancadas, a mulher ainda provoca surpresa quando assume posições de destaque no esporte. Silvia Regina, que depois do pioneirismo na Série A ainda se tornou a primeira árbitra em jogos da Conmebol, acredita que tais reações demonstram que ainda há muito caminho a ser percorrido.

“A repercussão sempre existe quando as mulheres trabalham, como algo que parece extraordinário, o que não deixa de ser uma forma de discriminação. Quando a treinadora da seleção feminina foi chamada, todo mundo ficou impressionado por ser uma mulher. E isso acontece tanto nos acertos quanto nos equívocos, quando a mulher acerta há os comentários ‘Nossa, acertou! E é mulher!’”, analisa.

Não foi apenas a presença das mulheres que mudou de lá para cá, mas, segundo Silvia Regina, o cenário do futebol moderno é muito mais desafiador para quem quer se aventurar na carreira de árbitro do que na época em que ela mesma iniciou. Especificamente no caso das mulheres, além das exigências físicas, é preciso enfrentar maior resistência no meio.

“Com as mulheres conquistando mais espaço, os homens têm mais resistência e, queira ou não, o futebol ainda é um reduto da grande maioria de homens”, declarou, dando pistas para possíveis soluções.

“O caminho é continuar trabalhando de forma natural, ir e realizar sua profissão sem querer afrontar ninguém, trabalhando e mostrando para as pessoas, principalmente as mulheres interessadas, que a arbitragem é apenas mais uma profissão que, como em qualquer outra, é preciso talento para realizar”, finalizou.

Em campo, Fábio Simplício marcou aos 43 minutos do primeiro tempo na vitória do São Paulo por 1 a 0.

Anúncios
Categorias:Notícia Tags:
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: