Arquivo

Archive for novembro \25\UTC 2017

CBF escalou árbitras para rodada final da Série B

Objetivo é ter árbitras na Série A para os próximos anos.

A Comissão de Arbitragem da CBF escalou árbitras para duas partidas na última rodada da Série B de 2018. Foram as estreias de Deborah Cecília Correia e Edina Batista, que comandaram os jogos Oeste x Goiás e Figueirense x Paysandu, respectivamente. As duas ostentam a insígnia da Fifa e são as primeiras mulheres a serem primeiras árbitras em uma partida da segunda divisão desde o encerramento da carreira da paulista Silvia Regina de Oliveira, em 2007.

Árbitra Edina Batista.

“Elas já atuaram na Série D e C e foram bem, agora vamos testar na Série B. Vamos sentir como se reage em relação à arbitragem feminina na Série B e, quem sabe, no ano que vem teremos na Série A. Nós estamos fazendo um trabalho de acompanhamento muito sério da arbitragem feminina. Trabalho de preparação, de condicionamento físico e técnico, parte disciplinar… Hoje elas atendem a demanda que se exige nessas competições”, explicou Marcos Marinho, presidente da Comissão de Arbitragem da CBF.

Edina Batista, atuou com as assistentes Neuza Back e Tatiane Sacilotti (também integrantes do quadro da FIFA) no jogo de sexta-feira em Florianópolis. “Estou feliz pela oportunidade e confiança que a Comissão de Arbitragem está nos dando. Este jogo é importantíssimo para o meu currículo, e trabalhar com a Neuza e a Tatiane também é uma oportunidade de ajustar o trabalho em equipe e fortalecer ainda mais nosso trio”, disse Edina Batista.

Deborah Cecília Correia trabalhará hoje (sábado) em Barueri e está muito orgulhosa com a oportunidade. “Meu primeiro sonho era apitar um clássico. Quando iniciei queria atuar em um clássico regional e consegui. Agora, meu sonho era atuar em uma competição nacional. Consegui. Estamos quebrando essa barreira cada vez mais e estou muito orgulhosa disso”, disse a árbitra pernambucana.

Deborah Cecília Correia recebendo escudo da FIFA.

Fonte: Veja

Anúncios
Categorias:Humor Tags:, , ,

Árbitro expulsa cachorro por falta dura

Um fato engraçado e inusitado aconteceu na partida entre Central Córdoba e Sportivo de Las Parejas, na Argentina, em jogo válido pelo Torneo Federal A (Terceira Divisão da Argentina). O jogador Marcos Sánchez, do Central, recebeu um passe do meio-campo quando, de repente, um cachorro lhe dá um carrinho e rouba a bola.

Árbitro Miguel Mazón

O atleta caiu no gramado e o cachorrinho saiu com a posse de bola, feliz da vida e só parou quando jogadores se aproximaram dele. O árbitro da partida, Miguel Mazón, expulsou o cachorro de campo pela falta dura em Sánchez.

Brincadeiras à parte, o Central Córdoba venceu a partida por 1 a 0.

Veja o vídeo da situação engraçada.

 

 

Categorias:Notícia

Quando um árbitro faz aniversário…

Quando um árbitro faz aniversário, esse é o bolo que ele ganha de presente. Ou melhor, no caso, ela. Foi a bela surpresa que a árbitra assistente Leandra Aires Cossette (CBF/SP) ganhou de sua família. Parabéns e muitas felicidades!

Categorias:Humor

Árbitro inventou regra durante jogo e deu falta e cartão por “má vontade”

07/11/2017 2 comentários

A intenção do árbitro Juan Carlos Demaro era boa. Ao ver que Ferro Carril e Huracán não se atacavam, ele marcou uma falta. Como a torcida começava a protestar contra as equipes, Demaro decidiu dar um fim àquilo que ele interpretou como “enrolação”. Só havia um problema: isso não estava na regra nem previsto em nenhum regulamento. Era praticamente um ato de justiça com as próprias mãos.

A partida em questão foi disputada na Argentina, em agosto de 1982. O Ferro Carril não perdia havia 24 rodadas e era o favorito. Mas aos 5min do segundo tempo, com o placar em 0 a 0, o árbitro perdeu a paciência ao ver a falta de interesse de ambos os times de buscar o gol.

“Entendi que houve deslealdade por parte dos jogadores do Ferro, um ato de má-fé que prejudicou o público. Rocchia e Arregui trocaram 12 ou 15 passes [laterais]. Como achei isso desleal, marquei falta contra o Ferro”, explicou o árbitro na época ao jornal “Clarín”.

“É verdade que os jogadores do Huracán também foram pressionar para roubar a bola, mas eles estavam defendendo. Depois disso falei a todos que fossem para o ataque ou eu pegaria a bola e iria embora”, acrescentou.

Os jogadores do Ferro Carril ficaram furiosos com a marcação da falta. Relatos apontam que, na verdade, nenhum dos times entendeu o que estava acontecendo. Mas a ira do Ferro aumentou ainda mais quando Rocchia, que estava com a bola no momento da “falta” e era o capitão, foi expulso.

“Ele me questionou de forma muito agressiva sobre o que eu havia marcado, por isso o puni com o cartão amarelo. Quando a partida seria reiniciada, o árbitro assistente disse que Rocchia havia me insultado. Por isso o expulsei”, justificou Demaro.

Nos dias seguintes ao jogo, o árbitro foi procurado pela comissão de arbitragem da Argentina e acabou repreendido. Sua boa intenção foi reconhecida, mas como ele inventara uma regra durante o jogo, aquilo foi interpretado como um erro.

Mas talvez outro detalhe tenha irritado Demaro ainda mais. Depois de toda a confusão e com o Huracán com um jogador a mais, a partida terminou como começou, num empate sem gols.

Fonte: UOL Esporte

Categorias:Notícia

Árbitro de vídeo estreia na semi da Libertadores de forma decisiva

Depois de duas partidas em que esteve disponível, mas não foi usado, o recurso do árbitro de vídeo (VAR) enfim “estreou” na Libertadores. E foi decisivo na heroica classificação do Lanús à final da competição, com vitória de virada por 4 a 2 sobre o River Plate nesta terça-feira (31), após derrota por 1 a 0 no jogo de ida.

Jogando em casa e empurrado por sua fanática torcida no estádio La Fortaleza, o Lanús saiu perdendo por 2 a 0 ainda no primeiro tempo. Precisava de quatro gols para avançar à decisão. E conseguiu, sendo que dois deles contaram com intervenções cruciais do árbitro de vídeo para serem validados.

O River começou a todo vapor. Scocco, de pênalti, aos 17 minutos, e Montiel, aos 23, balançaram a rede e deixaram a classificação praticamente inatingível para os donos da casa. Mas o Lanús descontou no final da primeira etapa, aos 46 minutos, com Sand.

A primeira aparição da tecnologia na história da Libertadores aconteceu no gol de empate do Lanús, marcado logo no começo do segundo tempo, novamente por Sand. Ele aproveitou uma sobra de bola na área e finalizou para as redes. O árbitro Wilmar Roldán pediu o auxílio do vídeo para determinar se o jogador estava impedido e validou o gol.

Embalado, o Lanús fez o terceiro gol aos 16, com Lautaro Acosta. E aos 23, novamente o árbitro de vídeo foi protagonista: Montiel puxou Pasquini dentro da área e, após rever o lance na televisão, Wilmar Roldán marcou a penalidade. Alejandro Silva converteu e fez o gol da classificação histórica do time da casa.

O técnico do River Plate, Marcelo Gallardo, fez fortes críticas ao uso de árbitro de vídeo durante a semifinal.

“Nós não vamos desviar a responsabilidade, falhamos porque tínhamos o resultado a favor. Mas então houve polêmicas em que eles decididamente falharam no uso da tecnologia. É difícil saber se ele (árbitro de vídeo) vai ser usado para uma equipe ou ambos. Não sei qual é a explicação que eles vão dar agora. Tudo o que eles explicaram foi inútil, serviu para um time e nada mais”, disse Gallardo.

Na final, o Lanús enfrentará o Grêmio ou o Barcelona de Guayaquil. No jogo de ida, no Equador, o time brasileiro venceu por 3 a 0 e encaminhou a classificação. A vaga será decidida nesta quarta (1), em Porto Alegre.

%d blogueiros gostam disto: