Arquivo

Posts Tagged ‘2018’

Juiz que marcou polêmico pênalti para o Real é colocado sob proteção policial

Desde o pênalti que interferiu na classificação do Real às semis da Champions, Michael Oliver e a esposa Lucy se tornaram alvos de ameaças nas redes sociais.

O árbitro do jogo de volta das quartas de final da Champions entre Real Madrid e Juventus, Michael Oliver, foi colocado sob proteção policial após ser alvo de ameaças nas redes sociais, informou a polícia inglesa nesta segunda-feira. Ele revoltou jogadores e torcedores da Velha Senhora ao marcar um pênalti nos acréscimos a favor do time espanhol – que acabou decisivo para a classificação merengue.

Desde o pênalti polêmico no apagar das luzes na decisão em Madri, Michael Oliver e a esposa Lucy se tornaram alvos de ameaças nas redes sociais. O pênalti havia sido duramente criticado pelo goleiro da Juventus Gianluigi Buffon, que acabou expulso por reclamação após o lance.

O lendário goleiro italiano chegou a declarar após a partida que Oliver, 33 anos, tinha “um saco de lixo no lugar do coração”. No momento em que o árbitro assinalou o pênalti, a Juventus, derrotada em Turim no jogo de ida por 3 a 0, devolvia o mesmo placar em Madri, resultado que levaria o jogo à prorrogação.

Desde então, Oliver e a família vêm sofrendo ameaças e o número de celular da esposa foi publicado nas redes sociais, o que levou a uma enxurrada de mensagens insultantes e agressivas.

Fonte: Globo Esporte

Anúncios
Categorias:Notícia Tags:, ,

Testosterona (por André Kfouri)

A condenação da arbitragem após partidas tumultuadas por quem deveria estar preocupado em jogá-las representa, além de um raciocínio equivocado, a busca por culpados convenientes. É um expediente perverso que não só diminui a perspectiva de solução, como também fermenta o problema que deveria ser combatido. Enquanto árbitros forem responsabilizados por permitir que encontros se descontrolem no aspecto disciplinar, os jogadores que de fato conturbam partidas seguirão à vontade para manter esse comportamento danoso ao futebol. O pior é que o cartão vermelho já se provou ineficiente no contexto mais importante: a ausência de uma ou outra figura exagerada não impede a manutenção do método, pois, mais do que de regras, essa é uma questão de respeito. Ao jogo, aos adversários ocasionais que são colegas de profissão, aos componentes da arbitragem e, acima de tudo, ao público.

Em relação ao público, embora seja desanimador, é preciso dar uma espécie de salto de fé, pois o espetáculo de testosterona que se percebe em jogos mais importantes ou em que há maior rivalidade pode ser precisamente o que se deseja. Como se o espírito intolerante que exige que o “inimigo” seja eliminado, e não apenas vencido, tenha migrado dos setores mais violentos das arquibancadas e se apoderado do gramado, onde se prefere a briga ao jogo. Reclama-se que a conversão do futebolista em profissional do entretenimento o afastou de quem o sustenta, mas as redes antissociais podem ter provocado o caminho inverso: estão mais próximos do que nunca, mais semelhantes em conduta do que jamais foram, pois as fronteiras – de território e modo de vida – não resistem à interação que evidencia um senso de pertencimento que só considera o valor da vitória por qualquer via.

É impossível ser árbitro neste ambiente. O temor de um erro técnico determinante está presente como algo a ser evitado do primeiro ao último apito, exacerbado pelos ângulos da televisão, que exibem o que olhos humanos não são capazes de enxergar. Como tarefa adicional, há que se conter a temperatura de uma arena em que a maioria dos atores não está disposta a colaborar. Ao contrário, condicionar a arbitragem é parte da estratégia de diversas equipes, motivo pelo qual há jogadores que não fazem outra coisa além de pedir cartões amarelos para oponentes. A pressão continua depois do jogo: o árbitro de pouca tolerância que expulsa cedo é rotulado por um caráter policialesco; o paciente, que prefere mediar, é frouxo. Em campo, não há o menor sinal de cooperação. Fora, falta compreensão. Quando se decide que a partida foi corrompida, é mais fácil responsabilizar quem tem de atuar como disciplinador do que notar que o bom andamento das coisas não está nos planos de ninguém.

Isto não é uma defesa intransigente dos árbitros, mas uma censura a essa postura desrespeitosa, geralmente aceita e até aplaudida como resultante do desejo de vencer. Jogadores que não se alistam na guerra são criticados por falta de empenho, numa visão do jogo de futebol como uma luta governada pela noção de que ir ao limite do que é permitido é a obrigação de todos. Mas impor esse limite é a obrigação de um só. A diferença é observada quando as equipes demonstram a intenção primordial de disputar um jogo e vencê-lo pelo balanço de virtudes e defeitos, como Botafogo e Vasco fizeram ontem. O trabalho do árbitro se torna uma anotação ao pé da página, não a manchete sensacionalista que faz dele o réu por não controlar o incontrolável.

SALIVA

Não se perde a chance de deixar o pé mais alto em qualquer dividida, o cotovelo em todas as disputas pelo alto. Nos lances em que se aposta corrida para chegar primeiro, próximos às linhas, o plano quase sempre é jogar o adversário para longe. Mais do que vibrar e babar com esse campeonato de virilidade, há quem ache que futebol é isso.

Fonte: Lance!
Autor: André Kfouri

Categorias:Notícia Tags:, , , , ,

Sandro Ricci muda novamente de federação estadual

Árbitro brasileiro na Copa do Mundo de 2018, Sandro Meira Ricci está de federação nova desde fevereiro. Ele deixou a Federação Catarinense e agora apita pela Federação Paranaense.

O motivo da mudança foi a transferência de residência do árbitro, que também já apitou em outros estados anteriormente, como, por exemplo, pelo Distrito Federal e por Pernambuco.

O presidente da Federação Paranaense, Hélio Cury, comemorou a “contratação” de Sandro, que está na reta final de preparação para o Mundial.

– Soma bastante. É mais um árbitro do quadro da Fifa aqui. Já temos o Rodolfo Toski. Ele não terá privilégios, receberá o mesmo tratamento que os outros – disse Cury.

O dirigente paranaense garantiu que o trânsito com os vizinhos catarinenses segue tranquilo e que uma conversa com o presidente da Federação Catarinense, Rubens Angelotti, aconteceu há 15 dias.

Fonte: O Globo

Categorias:Notícia Tags:,

Gre-Nal teve confusão logo no cara ou coroa

O Gren-Nal de número 413 da história ficou marcado por um fato inédito: discussão entre jogadores no cara ou coroa. No programa “Redação SporTV” desta segunda-feira, o jornalista Diogo Olivier, convidado do programa participando direto de Porto Alegre, revelou a frase que deu início à confusão antes de a bola rolar, envolvendo Maicon, D’Alessandro e o árbitro Jean Pierre Lima:

– Mais Gre-Nal do que nunca. Discussão antes de o jogo começar, na moedinha, não tinha visto ainda. (…) Foi curiosa a entrevista do Maicon, que disse que não teve discussão, que estava tudo certo. Não é o que a imagem está dizendo. O que a gente conseguiu apurar aqui é que ali na hora o Jean Pierre estava dizendo assim: “Olha, não vai ter falta, não quero saber de rodinha”. Aí o Maicon teria feito uma brincadeira dizendo: “Bom, então o D’Alessandro não poderá apitar o jogo”. E aí ele se irritou e teria começado a discussão – explicou, causando risadas na mesa.

O apresentador Marcelo Barreto lembrou que o juiz poderia ter punido os dois com cartão amarelo, mas concordou em ter ficado só na advertência verbal, e brincou:

– O Jean Pierre teve quase que colocar o Vin Diesel (ator americano de filmes de ação) em campo para separar os dois.

Categorias:Notícia Tags:, ,

Comissão de Arbitragem da CBF homenageia árbitras e assistentes

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, a Comissão de Arbitragem da CBF presta um tributo às árbitras e assistentes que atuaram nas finais da Copa do Brasil de Futebol Feminino e no Campeonato Brasileiro de Futebol.

Cada vez mais mulheres entram em campo, para exercer a difícil tarefa de arbitragem, assim como em outras atividades que fazem parte do universo do futebol, e se tornam merecedoras do nosso reconhecimento e desta homenagem neste e em todos os dias.

Abaixo a ficha técnica das partidas finais de todas as competições disputadas até o momento:

I Copa do Brasil de Futebol Feminino – 2007

Data: 09/12/2007 – SAAD/MS 1 x 1 Botucatu (MS SAAD campeão nos penais 5 × 4)

Árbitra: Simone Xavier/RJ
Assistentes: Geni Garcez/DF e Gizele Aparecida Silva/GO
Quarto Árbitro: Márcia Monteiro/DF
Observador: Jorge Paulo de Oliveira Gomes/DF

II Copa do Brasil de Futebol Feminino – 2008

Data: 17/12/2008 – Santos/SP 3 x 0 Sport/PE

Árbitra: Janaína Geralda Costa/MG
Assistentes: Ângela Paula C. Regis Ribeiro/MG e Ivone Santos de Oliveira/RJ
Quarto Árbitro: Regildênia de Holanda Moura/SP
Observador: Silvia Regina de Oliveira/SP

III Copa do Brasil de Futebol Feminino – 2009

Data: 01/12/2009 – Santos/SP 3 x 0 Botucatu/SP

Árbitra: Regildênia de Holanda Moura/SP
Assistentes: Maria Eliza Correia Barbosa/SP (FIFA) e Graziele Maria Crizol/SP
Quarto Árbitro: Milton Etsuo Ballerini
Observador: Silvia Regina de Oliveira/SP.

IV Copa do Brasil de Futebol Feminino – 2010

Data: 04/12/2010 – Duque de Caxias/CEPE/RJ 1 X 0 Foz do Iguaçu/PR

Árbitra: Janaína Geralda Costa/MG
Assistentes: Cinthia Mara da Silva/MG e Patricia Carla de Oliveira/SP
Quarto Árbitro: Carlos Eduardo Nunes Braga/RJ
Observador: João José da Silva Loureiro/RJ.

V Copa do Brasil de Futebol Feminino – 2011

Data: 26/11/11 – Foz Cataratas/PR 3 x 0 Vitória/PE

Árbitra: Simone Xavier de Paula e Silva/RJ (FIFA)
Assistentes: Tatiana Jacques Freitas (ASP-FIFA) e Nadine Nadine Schram Câmara Bastos (ASP-FIFA)
Quarto Árbitro: Édina Alves Batista
Assessor: Hélio Henrique Camargo/PR.

VI Copa do Brasil de Futebol Feminino – 2012

Data: 10/16/12 – ADECO/SP 2×4 São José/SP

Árbitra: Katiuscia da Mota Lima/SP
Assistentes: Maria Eliza Correia Barbosa (ESP/SP) e – Maiza Teles Paiva (CBF-1/SP)
Quarto Árbitro: José Claudio Rocha Filho (CBF-2/SP)
Delegada Especial: Silvia Regina de Oliveira/SP.

VII Copa do Brasil de Futebol Feminino – 2013

Data: 04/05/13; São José/SP 4 × 0 Vitória/PE

Árbitra: SP – Regildênia de Holanda Moura (FIFA/SP)
Assistentes: Maria Eliza Correia Barbosa (ESP-1) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (ASP-FIFA)
Quarta Árbitra: SP – Edilar Ferreira (CBF-1)
Delegado Especial: SP – Nilson de Souza Monção.

VIII Copa do Brasil de Futebol Feminino – 2014

Data: 15/04/14: São José/SP 1 (4) x Ferroviária/SP 0 (5).

Árbitra: Regildênia de Holanda Moura (FIFA/SP)
Assistentes: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (ASP-FIFA/SP) e Patricia Carla de Oliveira (CBF-1/SP)
Quarto Árbitro: Edilar Ferreira (CBF-1/SP)
Assistente Reserva: Maiza Teles Paiva (CBF-1/SP)
Delegado: Nilson de Souza Monção/SP

Resumo Geral

Árbitras

3 Finais: Regildênia Holanda Moura/SP

2 Finais: Janaina Geralda Costa/MG e Simone Xavier Silva/RJ

1 Final: Katiuscia Mota Lima/SP

Assistentes

3 finais: Maria Eliza Correia Barbosa (ESP-SP)

2 finais: Patricia Carla de Oliveira CBF/SP) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (ASP-FIFA/SP)

1 final: Ângela Paula C. Regis Ribeiro (CBF/MG), Cinthia Mara da Silva (CBF/MG), Geni Garcez (CBF/DF), Gizele Aparecida Silva (CBF/GO), Graziele Maria Crizol (CBF/SP), Ivone Santos de Oliveira (CBF/RJ), Maiza Teles Paiva (ASP-FIFA/SP), Nadine S Câmara Bastos/SC (FIFA/SC) e Tatiana Jacques Freitas (FIFA/RS).

Quarto Árbitro

2 finais: Edilar Ferreira (CBF-1/SP)

1 final: Edina Alves Batista (ASP-FIFA/PR), Márcia Monteiro (CBF/DF), Milton Etsuo Ballerini (CBF/SP) e Regildênia de Holanda Moura (FIFA/SP)

Assessores

3 Finais: Silvia Regina de Oliveira/SP

Em 2015, o CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO entra em sua terceira edição. Nas duas anteriores, eis as fichas técnicas:

I Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino

Data: 07/12/13 – Adeco/SP 2 X 1 São José/SP

Árbitra: Regildenia de Holanda Moura (FIFA-SP)
Assistentes: Maria Núbia Ferreira Leite (CBF1-SP) e Renata Ruek X de Brito (CBF1-SP)
Quarta Árbitra: Edilar Maria Ferreira (CBF1-SP)
Assessora: Silvia Regina de Oliveira/SP

II Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino

Data: 30/11/14 – Kindermann/SC 0 X 3 Ferroviária/SP– Fonte Luminosa – Araraquara – São Paulo. Campeão: Ferroviária/SP.

Árbitra: Édina Alves Batista/PR
Assistentes: Maria Eliza Correia Barbosa/SP e Tatiane Sacilotti Camargo/SP
Quarta Árbitra: Regildênia de Holanda Moura (FIFA/SP)
Assessor: Wilson Luiz Seneme/SP

Resumo Geral

Árbitras

1 final: Edina Alves Batista (ASP-FIFA-PR) e Regildenia de Holanda Moura (FIFA-SP)

Assistentes

1 final: Maria Eliza Correia Barbosa (ESP1-SP), Maria Núbia Ferreira Leite (CBF1-SP), Renata Ruek X de Brito (CBF1-SP), Tatiane Sacilotti Camargo (ASP-FIFA-SP).

Quarta Árbitra

Edilar Maria Ferreira (CBF1-SP).

Assessores

Sílvia Regina de Oliveira/SP

Fonte: CBF

Categorias:Notícia Tags:, ,

Árbitro de vídeo é aprovado e deve ser usado na Copa do Mundo

IFAB confirma que VAR agora faz parte da regra do futebol. Reunião do Conselho irá votar se recurso tecnológico estará ou não presente no Mundial.

A partir do último sábado, o VAR (árbitro assistente de vídeo) faz parte do futebol. O International Football Association Board (IFAB), aprovou o sistema como regra do esporte. Com isso, o uso da tecnologia na Copa do Mundo da Rússia será confirmado na reunião do Conselho, que será realizada no próxima dia 16, na Colômbia. A decisão foi unânime.

– O International Board decidiu aprovar o VAR no futebol. A partir de hoje, o árbitro de vídeo faz parte do futebol. Estamos testando o sistema há dois anos, com cerca de 20 federações e chegamos à conclusão que o VAR é bom para o futebol e para a arbitragem, traz mais justiça aos jogos. Por isso, decidimos aprovar – confirmou o presidente da Fifa, Gianni Infantino.

Outra mudança que vai ocorrer no futebol, é a implementação da quarta substituição, apenas na prorrogação. Assim como o VAR, essa regra também será discutida no Conselho se será usada na Copa do Mundo.

Vale lembrar que nem todos os lances poderão ter o auxílio do VAR. O assistente de vídeo só poderá ser usado nas seguintes ocasiões: situações de gol, marcação de pênaltis, cartões vermelhos e confusão da identidade de jogadores.

Fonte: Lance

Categorias:Notícia Tags:, , , ,

Árbitro de vídeo no Brasileirão é rejeitado em reunião da CBF

07/02/2018 1 comentário

Em congresso técnico, realizado nesta segunda-feira na sede da entidade, decisão foi por esperar testes das quartas de final da Copa do Brasil para avaliar se VAR é bem-sucedido.

Ainda não será nesta edição que o Campeon ato Brasileiro de 2018 terá árbitro de vídeo. A rejeição ao uso do VAR já neste ano ocorreu durante uma reunião do congresso técnico da CBF, nesta segunda-feira.

No encontro dos representantes dos 20 clubes da Série A, ocorrido na sede da entidade, 12 clubes (Corinthians, Santos, América-MG, Cruzeiro, Atlético-MG, Atlético-PR, Paraná, Vasco, Fluminense, Sport, Vitória e Ceará) votaram contra o uso do recurso já nesta competição, enquanto que sete (Flamengo, Botafogo, Bahia, Chapecoense, Palmeiras, Grêmio e Internacional) se demonstraram favoráveis. O São Paulo se absteve.

Os clubes preferiram esperar as experiências a partir das quartas de final da Copa do Brasil. Caso seja bem-sucedido, o uso do VAR voltará a ser votado para o Brasileirão de 2019.

Já o veto à grama sintética da Arena da Baixada foi rechaçado. Além disto, os 20 clubes da Série A aprovaram o mando de campo itinerante, que permite aos times atuarem por cinco vezes longe de seus estados de origem.

A aprovação do mando itinerante trouxe algumas ressalvas: a obrigatoriedade da concordância do visitante e da federação do clube mandante. Além disto, não serão permitidas vendas de mandos nas últimas cinco rodadas do Campeonato Brasileiro.

Fonte: Lance!

Categorias:Geral Tags:, , , ,
%d blogueiros gostam disto: