Arquivo

Posts Tagged ‘Paulistão’

Testosterona (por André Kfouri)

A condenação da arbitragem após partidas tumultuadas por quem deveria estar preocupado em jogá-las representa, além de um raciocínio equivocado, a busca por culpados convenientes. É um expediente perverso que não só diminui a perspectiva de solução, como também fermenta o problema que deveria ser combatido. Enquanto árbitros forem responsabilizados por permitir que encontros se descontrolem no aspecto disciplinar, os jogadores que de fato conturbam partidas seguirão à vontade para manter esse comportamento danoso ao futebol. O pior é que o cartão vermelho já se provou ineficiente no contexto mais importante: a ausência de uma ou outra figura exagerada não impede a manutenção do método, pois, mais do que de regras, essa é uma questão de respeito. Ao jogo, aos adversários ocasionais que são colegas de profissão, aos componentes da arbitragem e, acima de tudo, ao público.

Em relação ao público, embora seja desanimador, é preciso dar uma espécie de salto de fé, pois o espetáculo de testosterona que se percebe em jogos mais importantes ou em que há maior rivalidade pode ser precisamente o que se deseja. Como se o espírito intolerante que exige que o “inimigo” seja eliminado, e não apenas vencido, tenha migrado dos setores mais violentos das arquibancadas e se apoderado do gramado, onde se prefere a briga ao jogo. Reclama-se que a conversão do futebolista em profissional do entretenimento o afastou de quem o sustenta, mas as redes antissociais podem ter provocado o caminho inverso: estão mais próximos do que nunca, mais semelhantes em conduta do que jamais foram, pois as fronteiras – de território e modo de vida – não resistem à interação que evidencia um senso de pertencimento que só considera o valor da vitória por qualquer via.

É impossível ser árbitro neste ambiente. O temor de um erro técnico determinante está presente como algo a ser evitado do primeiro ao último apito, exacerbado pelos ângulos da televisão, que exibem o que olhos humanos não são capazes de enxergar. Como tarefa adicional, há que se conter a temperatura de uma arena em que a maioria dos atores não está disposta a colaborar. Ao contrário, condicionar a arbitragem é parte da estratégia de diversas equipes, motivo pelo qual há jogadores que não fazem outra coisa além de pedir cartões amarelos para oponentes. A pressão continua depois do jogo: o árbitro de pouca tolerância que expulsa cedo é rotulado por um caráter policialesco; o paciente, que prefere mediar, é frouxo. Em campo, não há o menor sinal de cooperação. Fora, falta compreensão. Quando se decide que a partida foi corrompida, é mais fácil responsabilizar quem tem de atuar como disciplinador do que notar que o bom andamento das coisas não está nos planos de ninguém.

Isto não é uma defesa intransigente dos árbitros, mas uma censura a essa postura desrespeitosa, geralmente aceita e até aplaudida como resultante do desejo de vencer. Jogadores que não se alistam na guerra são criticados por falta de empenho, numa visão do jogo de futebol como uma luta governada pela noção de que ir ao limite do que é permitido é a obrigação de todos. Mas impor esse limite é a obrigação de um só. A diferença é observada quando as equipes demonstram a intenção primordial de disputar um jogo e vencê-lo pelo balanço de virtudes e defeitos, como Botafogo e Vasco fizeram ontem. O trabalho do árbitro se torna uma anotação ao pé da página, não a manchete sensacionalista que faz dele o réu por não controlar o incontrolável.

SALIVA

Não se perde a chance de deixar o pé mais alto em qualquer dividida, o cotovelo em todas as disputas pelo alto. Nos lances em que se aposta corrida para chegar primeiro, próximos às linhas, o plano quase sempre é jogar o adversário para longe. Mais do que vibrar e babar com esse campeonato de virilidade, há quem ache que futebol é isso.

Fonte: Lance!
Autor: André Kfouri

Anúncios
Categorias:Notícia Tags:, , , , ,

Dorival isenta juiz por gol polêmico e pede uso de tecnologia no futebol

Dorival Junior isentou o árbitro Rafael Gomes Felix da Silva pelo gol polêmico que decretou a vitória do Santos contra o Red Bull, 3 a 2, no Pacaembu. O treinador entendeu que lances difíceis de interpretação poderiam ser solucionados caso houvesse maior interferência da tecnologia no futebol.

gol-santos-fpf-2017-a

O gol que decidiu a partida foi bastante contestado pelo Red Bull, que pediu mão do santista Kayke, além de alegar que a bola não havia ultrapassado a linha final.

Dorival ressaltou que o Santos também foi prejudicado, pois o segundo gol do Red Bull, de Nixon, estava em posição de impedimento.

“A tecnologia está aí para ser usada. Só o futebol não usa. A International Board [órgão que regula as regras do futebol] parece que trabalha contra nós ao não exigir a tecnologia, diminuindo a margem de erro. Não tenho como culpar a arbitragem até porque o segundo gol do Red Bull estava impedido e ninguém falou nada”, disse Dorival.

gol-santos-fpf-2017-b

“Se a tecnologia está aí, deveria ser usada e exigida por todos. Eu sinto por isso. Nunca é bom que o resultado seja definido por um erro interferência. Não é bom para quem vence, e, principalmente, para quem perde”, acrescentou.

 

Fonte: UOL

Categorias:Notícia Tags:, , ,

Infográfico – Estatísticas da Arbitragem no Paulistão 2015

A Progols Sports (www.progols.com), empresa especializada em informação e inteligência para o mundo esportivo, publicou um infográfico completo sobre as estatísticas gerais da arbitragem do Campeonato Paulista da Primeira Divisão de 2015, organizado pela Federação Paulista de Futebol.

O documento apresenta os principais números extraídos das partidas da competição e exibe o desempenho dos árbitros, com destaque a alguns deles. O grande nome desta competição foi Guilherme Ceretta de Lima, que apitou a grande final entre Santos e Palmeiras e ainda foi eleito o melhor árbitro da competição. Confira!

Faça o download do infográfico completo no link.

infrografico-paulista-a1-2015-01
infrografico-paulista-a1-2015-05
infrografico-paulista-a1-2015-03
infrografico-paulista-a1-2015-04
infrografico-paulista-a1-2015-02

Categorias:Notícia Tags:, , , ,

Federação Paulista premia os melhores árbitros de 2014

Em festa realizada ontem à noite, a Federação Paulista de Futebol premiou os melhores árbitros, equipes e jogadores que atuaram na sua principal competição do ano, o Campeonato Paulista da Série A1.

O título da competição ficou com o Ituano, ao bater o Santos nas cobranças de tiro penal no último domingo, e recebeu R$ 2,5 milhões como premiação. Já o Santos, vice colocado, foi premiado com 600 mil reais. Porém os jogadores santistas é quem dominaram o elenco da seleção escolhida pela imprensa e demais votantes.

O santista Cícero foi eleito pelos jornalistas o craque do Paulistão, mas foi o são-paulino Luis Fabiano quem ganhou mais votos dos internautas na enquete do GloboEsporte.com e faturou o prêmio de Craque da Galera.

A seleção do Paulistão ficou assim: Fernando Prass (Palmeiras), Cicinho (Santos), Anderson Salles (Ituano), Lúcio (Palmeiras) e Alvaro Pereira (São Paulo); Arouca (Santos), Hudson (Botafogo), Cícero (Santos) e Geuvânio (Santos); Thiago Ribeiro (Santos) e Alan Kardec (Palmeiras). O técnico Oswaldo de Oliveira (Santos) também foi homenageado.

fpf-2014-selecao

Léo Costa, atacante do Rio Claro, foi o craque do interior. O jogador marcou nove gols no torneio e dividiu a artilharia com Alan Kardec (Palmeiras), Cícero (Santos) e Luis Fabiano (São Paulo). O técnico da seleção brasileira foi o responsável por entregar o prêmio ao quarteto. Eleito a revelação do campeonato, Geuvânio levou dois títulos para casa, assim como o Fabuloso, eleito o craque da galera com 40% dos votos, e Cícero, o craque do campeonato.

Arbitragem

luiz-flavio-oliveira-verticalLuiz Flávio de Oliveira foi eleito pela FPF como o melhor árbitro da competição, assim como os auxiliares Tatiane Sacilotti dos Santos e Carlos Augusto Nogueira Junior. O trio levou para casa um prêmio de 200 mil reais a ser dividido por eles.

Oliveira apitou 3 grandes clássicos nesta edição: Santos 2 X 1 Palmeiras, Corinthians 2 X 3 São Paulo, Palmeiras 2 X 0 São Paulo.

Também foram premiados em segundo lugar  o árbitro Vinicius Furlan e os assistentes Danilo Ricardo Simon Manis e Anderson Coelho, que receberam 100 mil reais. Em terceiro lugar ficou o árbitro Flávio Rodrigues de Souza e os assistentes Alex Ang e Rafael Tadeu, que vão dividir o prêmio de 50 mil reais.

Mais campeões

Campeão da Série A2 do Paulistão, o Capivariano recebeu o troféu na cerimônia solene. O clube subiu para a Série A1 de 2015 junto de Red Bull Brasil, São Bento e Marília. Já a Série A3 segue em disputa.

Categorias:Notícia Tags:, ,

Assistentes, jogadores, técnicos e torcida aprovam bandeiras da paz

id_34852_IMG_5669Neste sábado (18), o Paulistão Chevrolet 2014 inicia a temporada do futebol profissional e a principal novidade estará fora das quatro linhas, já que os árbitros assistentes terão as suas bandeiras na cor branca. A ideia da Federação Paulista de Futebol é de pregar a paz dentro dos estádios.

No estádio Pacaembu, onde se enfrentam Palmeiras e Linense, o assistente João Edilson de Andrade falou sobre esta novidade. “A arbitragem por si só já prega a paz e dar andamento ao futebol, porém, pelos últimos ocorridos, todos ficaram preocupados em fazer um espetáculo sem que a violência apareça de qualquer forma”, afirmou Andrade.

Para ele, as bandeirinhas da paz vão propiciar a possibilidade de participar de um movimento importante contra a violência. “Acho uma excelente iniciativa, pois nós coadjuvantes do jogo temos a oportunidade de participar efetivamente disso e também de mostrar a nossa preocupação e nossa vontade de evitar a violência”, declarou o auxiliar.

Assim como o seu companheiro de arbitragem para esta partida, a bandeira Maiza Tales Paiva também elogiou a iniciativa na busca pela paz. “Acho legal esta iniciativa, pois o público ficou chocado com as cenas de violência no último ano e não poderíamos ficar parados. Tínhamos que nos mobilizar para ajudar a parar com essa violência. Então esta iniciativa dentro do futebol terá a função de passar a imagem da paz para a sociedade”, afirmou.

Boleiros aprovam

Contente também com a novidade, o treinador do Linense, Bruno Quadros definiu que qualquer tipo de auxilio contra a violência é fundamental. “O futebol é um momento de alegria e lazer, a violência não é legal em lugar nenhum e o esporte sempre mostrou isso, sempre foi contra a esse tipo de atitude, portanto, tudo que vier para ajudar a expandir a paz é vista com bons olhos”, disse o comandante alvirrubro.

Novidade na ala direita do Palmeiras, Serginho também comentou sobre a importância de combater atitudes bárbaras nos estádios. “O que vimos, principalmente ano passado, foi muito feio e isso tem que parar. O futebol é família, amigos e alegria, então temos que combater a violência sempre”, falou o camisa 20.

Torcida também

Para acompanhar a estreia alviverde no ano do seu centenário, o torcedor Gilberto Marques trouxe a sua família ao Pacaembu e espera que esta medida das bandeiras da paz sejam um ponto de partida para encerrar com os conflitos nos jogos. “As torcidas organizadas trazem ao esporte muita violência e a família não vem, quando vem fica em um local separado deles e fica apreensivo em trazer crianças. Mas, hoje com essas medidas podemos pensar em ter mais tranquilidade nos estádio”, finalizou o palmeirense.

Clique no link para assistir a reportagem da TV FPF.

Fonte: FPF
Autor: Gustavo Soler

Categorias:Notícia Tags:, , , ,

Árbitros do Paulista têm concentração estilo “BBB”

Trancados em hotel, sem contato com família, juízes e bandeirinhas usam celular de repórter para ver escala da primeira rodada e vibram como crianças.

pre-sp-2014-01Começou o Big Brother Brasil. Desde domingo, 107 árbitros e assistentes estão concentrados em um hotel na Zona Sul de São Paulo. O grupo só deixa o local para realizar treinamentos no CT do Audax, a poucos metros dali. Em três períodos durante o dia, eles realizam atividades físicas, teóricas, técnicas e psicológicas na pré-temporada da Federação Paulista de Futebol, antes do início do estadual de 2014.

– Eles não veem família, não veem nada. É concentração total para que entrem focados na competição – disse Roberto Perassi, instrutor da arbitragem paulista desde 2003.

– A pré-temporada é conduzida sempre por um tema, com base no campeonato passado. Analisamos como foi em 2013 e apontamos o que merece ajuste. Neste ano, o tema norteador é controle de jogo. Quando o árbitro comete muitos equívocos, os jogadores reclamam e a arbitragem é questionada. Se ele fica próximo das ações, previne os conflitos e constrói um bom controle – completou.

Pela manhã, o grupo treina simulações de jogadas nas quais os próprios árbitros acabam fazendo a função dos jogadores. À tarde, as atividades são focadas mais em posicionamento e trabalho em equipe. E o dia se encerra na sala de aula, com palestras ou discussões sobre regras de jogo. Na mais recente delas, analisaram a questão “bola na mão ou mão na bola”.

Na tarde de quarta-feira, os 107 foram divididos em vários grupos. Uns treinavam a comunicação entre árbitros e assistentes em lances de escanteio e tiro de meta. Outros acertavam o posicionamento em campo durante o jogo. Tiveram aqueles que se atracavam no gramado enquanto o juiz deveria acabar com a confusão. Rolou até atividade com cartões amarelos e vermelhos.

– Aprender teoria é sempre bom, mas a prática nos dá vivência. Com essas simulações, a gente chega em um momento no qual visualiza várias situações para que nada nos surpreenda durante o campeonato – declarou o árbitro Guilherme Ceretta de Lima, que, em sua nona pré-temporada com a FPF, já não reclama do confinamento. Outro experiente que também aprova o período de reclusão é Émerson de Carvalho.

– Eu, particularmente, gosto. Viemos de dias de folga. Nas férias as pessoas acabam comendo mais, bebem, então é importante vir aqui para se recuperar e chegar no Paulista na melhor forma possível – opinou Carvalho, um dos três brasileiros selecionados para a Copa do Mundo de 2014.

pre-sp-2014-02

Sem contato com o mundo exterior

Enquanto no BBB os participantes da casa mais vigiada do Brasil são privados de notícias externas, os árbitros e assistentes também não devem mexer em celulares e tablets durante as atividades. Desta forma, o grupo precisou recorrer ao telefone da reportagem para matar a curiosidade sobre a escala da primeira rodada do Paulistão, divulgada pela federação na tarde de quarta.

A convocação de Cássio Luiz Zancopé para apitar o jogo entre Bragantino e São Paulo foi bastante festejada pelo próprio e pelos companheiros. Até quem caiu em jogo de menor expressão, como Oeste e Penapolense, vibrou. Os que não viram seus nomes na relação buscaram esconder o descontentamento.

O regime de concentração acaba nesta quinta-feira. Dois dias depois, no sábado, começa, então, a parte mais difícil para qualquer árbitro ou assistente. Os treinamentos anteriores ao campeonato visam melhorar o desempenho de todos e reduzir os equívocos durante as partidas, mas a arbitragem sabe que não escapará de críticas diante de qualquer deslize. A fim de minimizar a pressão, a federação conta com o psicólogo Gustavo Korte há 17 anos no projeto.

– Pressão é da profissão. Árbitro sofre pressão assim como um cirurgião, mas o erro faz parte. Talvez, com a nova fórmula que deixou o campeonato mais curto, os times agora darão ainda mais valor aos pontos e isso pode deixar os jogos mais nervosos. Mas eles estão todos bem instruídos e tenho certeza de que farão um bom trabalho.

pre-sp-2014-03

Fonte: Globo.com

Categorias:Notícia Tags:, , ,

Seneme apita primeiro jogo da final entre Corinthians e Santos

Federação Paulista divulga responsáveis pelo apito na decisão do estadual e também na final do interior, que terá duelo entre Penapolense e Ponte.

seneme-fpf-2013A final do Campeonato Paulista já tem arbitragem definida. Corinthians e Santos se enfrentarão neste domingo, às 16h (horário de Brasília), no estádio do Pacaembu, com Wilson Luiz Seneme no comando do apito. Árbitro da Fifa, ele está entre os melhores brasileiros no ranking da entidade. O jogo de volta está marcado para o dia 19, na Vila Belmiro.

É a segunda vez consecutiva que Seneme apita a decisão do Paulistão. No ano passado, ele foi escolhido para comandar o duelo entre Guarani e Santos, também jogo de ida, no estádio do Morumbi.

Já a final do interior, entre Penapolense e Ponte Preta, no estádio Tenente Carriço, terá o veterano Paulo César de Oliveira como juiz.

Os árbitros foram definidos na tarde desta quarta-feira, em sorteio realizado na sede da Federação Paulista de Futebol (FPF). Além da dupla escolhida, também participaram da seleção Raphael Claus, Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza, Luiz Flávio de Oliveira, Rodrigo Braghetto e Guilherme Ceretta de Lima.

Fonte: Globo Esporte

Categorias:Notícia Tags:, , , ,
%d blogueiros gostam disto: