Archive

Posts Tagged ‘Regildênia’

Brasileiras estreiaram no Mundial Feminino Sub-17

brasileiras_jordania

A árbitra Regildenia Holanda e a árbitra-assistente Tatiane Camargo são as representantes da arbitragem brasileira na Copa do Mundo Feminina Sub-17, que acontece na Jordânia. A dupla estreou na competição comandando o confronto entre Alemanha e Canadá no último dia 3 de outubro. A partida terminou empatada em 1 a 1.

Regildenia é árbitra FIFA desde 2012. Já Tatiane ingressou no seleto quadro neste ano. No mês de setembro, as duas árbitras participaram do Curso Rap-FIFA para árbitros de Elite promovido pela Escola Nacional da Arbitragem do Futebol da CBF, realizado em Águas de Lindoia, no interior de São Paulo. Na ocasião, elas comentaram sobre a expectativa da participação. Confira:

Fonte: CBF

Árbitras do Brasil convocadas para Mundial Sub-17 Feminino na Jordânia

jordaniaO mundial feminino de futebol sub-17 da Fifa – que ocorre a cada 2 anos – será disputado na Jordânia na edição de 2016 com início no dia 30 de Setembro e a final marcada para o dia 21 de Outubro em Amã. Ao todo serão disputadas 32 partidas, envolvendo seleções de 16 paises de todos os continentes do globo. O Brasil participará da competição e estreia contra a Nigéria dia 1 de Outubro.

A Fifa convocou o time de arbitragem responsável por comandar as partidas e chamou 2 árbitras brasileiras para integrar o grupo: a “paulista” Regildenia Holanda de Moura (baiana de nascimento, mas atua por São Paulo), e a árbitra assistente Tatiana Sacilotti, também de São Paulo.

regildenia-00

Mulheres não apitam Série A do Brasileirão desde 2005

09/01/2015 1 comentário
silvia-regina

Sílvia Regina de Oliveira

Em outubro de 2005, o Paysandu venceu o Fortaleza por 2 x 1, pela Série A do Campeonato Brasileiro. O que realmente importa desse jogo é a ficha técnica. Está lá: “Arbitragem de Sílvia Regina de Oliveira”. Essa foi a última vez que uma mulher esteve com o apito em uma partida da elite nacional. Lá se vão nove anos de ausência feminina no centro da arbitragem — elas são frequentemente vistas do lado de fora do campo, como árbitras assistentes.

As razões para essa ausência são várias, na avaliação das próprias árbitras. Desde 2006, quando a Fifa alterou a avaliação física, as chances diminuíram.

Há oito anos, as mulheres precisam passar pela mesma avaliação dos homens. As seguidas reprovações levam ao desânimo. Assim, elas muitas vezes preferem concentrar as forças na carreira de assistente. E ainda há o machismo, mesmo que não seja unanimidade entre as mulheres.

No Campeonato Brasileiro de 2013, elas apareceram em 78 dos 380 jogos disputados, nas funções de assistente, assessora e quinta árbitra. Em 2014  participação foi até menor. Até a 14ª rodada, cinco partidas tiveram ajuda delas — em 2013, haviam sido 14 participações no mesmo período. O espaço parece ficar cada vez menor.

Das sete profissionais identificadas como árbitras no quadro da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), apenas uma atingiu o índice masculino. Mas ela não cumpre o requisito de experiência de dois anos na principal divisão do estado.

Sílvia Regina ainda trabalha na Série A, mas como assessora. Experiente no assunto, reconhece a diminuição dessas aparições, mas rechaça haver falta de oportunidade. “É necessário ter características de atleta aliadas ao bom perfil para conduzir um jogo”, explica. Sílvia também presta serviços para a Federação Paulista de Futebol (FPF), onde há bom espaço para as mulheres. “As meninas reconhecem que as oportunidades são muitas, e as portas estão abertas para quem cumpre as diretrizes que o futebol moderno exige”, jura.

Regildenia de Holanda Moura tentou completar o teste físico para apitar a Série A em 2014. Não conseguiu. Além da dificuldade física, ela teve outro problema. “O psicológico pesou”, reconhece.

Na avaliação das assistentes com as quais o Correio conversou, é justo exigir das mulheres o teste físico masculino. No entendimento delas, os direitos e deveres se equiparam. “Esse teste ficou mais próximo da realidade do jogo”, admite Regildenia. “Sempre achei que deveria ser assim”, corrobora Sílvia Regina.

O pensamento delas é compartilhado pelo presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa, para quem uma mulher não seria capaz de acompanhar uma partida masculina da Série A somente com o índice feminino no teste físico. “Em minha opinião, pelas exigências físicas do futebol moderno, não.”

Ausência vai se prolongar

As assistentes de hoje não se animam muito quando falam sobre o futuro. Pode ser que o Brasil tenha de esperar outros anos para ver uma mulher apitar um jogo da primeira divisão nacional. Considerado “desumano” por Regildenia de Holanda Moura, o teste físico continuará a ser uma barreira.

– “Sinceramente, não tenho nenhuma esperança, nenhuma expectativa de que vejamos uma mulher no apito daqui a alguns anos”, lamenta.

Essa prolongada ausência desestimulou Larissa Gabrielly. A assistente de 22 anos fez o curso de arbitragem em 2009 e, desde então, trabalhou em diversos jogos, inclusive internacionais. Ela foi auxiliar no Torneio Internacional Feminino, no Mané Garrincha, em dezembro passado. A dificuldade enfrentada pelas mulheres a levou a se concentrar no trabalho com a bandeira.

– “Por mais que falem que não tem machismo, tem sim. A mulher é mais atenta que o homem”, provoca. “Há 0% de machismo”, rebate Sílvia Regina, ex-árbitra que presta serviços a CBF e FPF.

Fernanda Colombo

Fernanda Colombo

Protagonista do último caso de ataque masculino, Fernanda Colombo, da Federação Catarinense, não cita o preconceito dos homens ao falar sobre a falta de arbitragem feminina na primeira divisão brasileira. Fernanda considera o teste físico uma das razões da quase década de ausência, mas surpreende ao citar o motivo principal. “A falta de incentivo e da própria iniciativa das mulheres em quererem apitar fazem diferença”, considera.

A projeção feita por Fernanda é a única a destoar. Mesmo depois de sofrer uma agressão verbal por um diretor do Cruzeiro após o clássico com o Atlético-MG, a catarinense acredita em uma mudança. “Com certeza é possível. Tudo indica que isso vai acontecer”, imagina. Falta definir como.

Na Playboy

Em maio, Fernanda assinalou impedimento inexistente no clássico entre Atlético-MG e Cruzeiro, pela Série A do Brasileiro, e virou assunto nacional. “Se ela é bonitinha, que vá posar na Playboy”, disse, à época, Alexandre Mattos, diretor de Futebol do Cruzeiro.

Fonte: Superesportes

Jogador exagera e abraça árbitra em campo

Um lance inusitado marcou a rodada da Copa Kaiser, o principal torneio do futebol amador de São Paulo, no último domingo. No segundo tempo da vitória do Nápoli/Vila Industrial sobre o Coroado/Guaianases por 2 a 0, a árbitra Regildenia Holanda de Moura foi abraçada e levantada pelo atacante Digão, do Nápoli, durante a comemoração de gol.

A juíza, que faz parte do quadro feminino da Fifa, não se impressionou com a festa: anulou o lance, marcando falta no goleiro Caveira.

O jogo terminou, mesmo, 2 a 0 para o time da Vila Industrial.

comemoracao

Fonte: Papo de Várzea UOL

Categorias:Notícia Tags:

Gaciba divulga lista de árbitros FIFA 2012

30/12/2011 1 comentário

O éx-árbitro Leonardo Gaciba, atual comentarista de arbitragem na SporTV e Rede Globo, divulgou em seu blog a análise sobre a provável lista de árbitros FIFA para o ano de 2012. Confira!

Texto do blog do Gaciba:

De forma oficiosa confira as mudanças que deverão ocorrer no quadro Brasileiro da FIFA para a temporada de 2012.

No quadro de árbitros assistentes masculino a troca de Erich Bandeira (alcançou o limite de idade de 45 anos) deverá ser pelo competente assistente Goiano Fabricio Vilarinho da Silva que já vinha “beliscando” a vaga há algumas temporadas.

No quadro masculino de árbitros nenhuma troca por “idade limite”!

A primeira vaga é a de Sálvio Spinola Fagundes Filho que foi retirado da lista por não possuir idade para concorrer a uma vaga na Copa do Mundo no Brasil (mesmo tendo idade para permanecer no quadro Internacional por mais dois anos e sendo o número um do ranking da CBF). Preferindo encerrar sua carreira “no topo” Sálvio decidiu parar ao invés de permanecer por dois anos no quadro especial (ex-FIFA). Para o seu lugar a CBF propõe o nome do alagoano Francisco Carlos Nascimento, o Chicão, dando pela primeira vez na história um escudo da FIFA para um árbitro daquele estado.

A segunda e disputada troca é o retorno do árbitro do Rio de Janeiro Péricles Bassols Cortez que, após ter permanecido um ano fora da FIFA como árbitro especial retorna ao quadro. O interessante é que em Janeiro de 2011, Péricles “cedeu” a vaga ao seu conterrâneo Gutemberg de Paula Fonseca que, após uma temporada onde não conseguiu “firmar” seu nome no quadro, dia primeiro irá “devolver” o escudo.

Oficialmente a confirmação se dá no dia 1º de Janeiro, mas se tudo correr conforme o proposto pela CBF estes deverão ser os nomes do quadro Brasileiro:

Destacados em verde os “novos” nomes do quadro:

Já no quadro feminino, uma revolução! Entram 5, ficam 3!

Priorizando a forma física (já que o Brasil teve vária árbitras e assistentes “devolvidas” em competições e cursos internacionais por não obterem êxito nos testes físicos) o quadro será formado por 8 árbitras (essa é a proposta!). Restando apenas uma confirmação, confira o nome das 4 centrais e 4 assistentes do Brasil para 2012.

Árbitras que ficaram: Ana Karina Marques Alves (PE) e Simone Xavier de Paula e Silva (RJ).

Árbitras que ingressam: Daniela Coutinho (BA) e Regildênia de Holanda Moura (SP).

Assistente que ficou: Katiuscia Mayer Berger Mendonça (ES).

Assistentes que ingressam: Janette Mara Arcanjo (MG), Lilian da Silva F. Bruno (RJ) e Tatiana J. de Freitas (RS).

Relembro que oficialmente só no dia primeiro, mas dificilmente a FIFA irá revogar o desejo da CBF!

Abraços e sorte para os que entram! Que possam representar a arbitragem Brasileira de forma honrosa!

Fonte: Blog do Gaciba
Link: http://sportv.globo.com/platb/blog-do-gaciba

Árbitra do ABCD vence preconceitos no futebol

Gil Moura, moradora do Jardim Detroit, aposta na carreira dentro do gramado

Driblar preconceitos, viver sob pressão de atletas no campo e jamais ter receio de punir infratores com o cartão amarelo ou vermelho. A velha máxima de que “futebol é coisa para homem” não está no vocabulário de Regildênia de Holanda Moura, a Gil, 36 anos, moradora no Jardim Detroit, em São Bernardo. Desde 2004, é uma das três melhores árbitras assistentes da FPF (Federação Paulista de Futebol), onde ingressou após passar em muitos testes.

Em 2007, Gil foi incluída também no quadro da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). A partir daí, passou a viajar por esse interior afora e buscou forças para a sua auto-afirmação. Afinal, a oportunidade de apitar na Primeira Divisão (após trabalhar nas Séries A2, A3 e Segundona) bateu mais rápido do que previa à sua porta. Em seu álbum, ela valoriza fotos dos principais jogos e partidas de final de ano com a estrela Marta, Rubens Barrichello, Carlos Alberto Parreira e Felipe Massa.

Separada, sem filho, Gil começou a apitar futebol na várzea em 1990 nos campeonatos da Liga de São Bernardo. Já apitou decisão da tradicional Copa Kaiser e optou por ser árbitra central, e não apenas assistente. “Juiz ganha R$ 2 mil por partida e assistente apenas a metade. Portanto, eu quero estar no centro do campo comandando. Sou feliz assim.”

Desde os tempos do “terrão na várzea”, segundo Gil, ela sempre foi vaidosa fora de campo: usa batom, cremes caros, perfumes, pinta o cabelo, unhas e se veste bem para chegar aos estádios. Dentro de campo, Gil muda sua personalidade, assume a postura de árbitra e se faz respeitar. “Meu ex-marido já me dizia: você é mandona.”

Nascida na pequena cidade de Ouricuri, Pernambuco, Gil veio morar no ABCD com pouco mais de 10 anos. “A Gil sempre foi muito determinada, é respeitada e merece tudo o que conseguiu até hoje”, elogia o vice-presidente da Liga, Saul Lino.

A árbitra não quer filhos em função da carreira, excesso de viagens e, principalmente, por estar na Primeira Divisão. Para Gil, a ex-árbitra Sílvia Regina “abriu as portas” para a mulher na profissão, mas admite ser fã de um homem, o também juiz Wilson Luiz Seneme.

Por: Edélcio Cândido / ABCD Maior
Link: http://www.abcdmaior.com.br/noticia_exibir.php?noticia=28631

Categorias:Notícia Tags:,

Árbitras inauguram novo gramado da Vila Belmiro

O estádio Urbano Caldeira do Santos Futebol Clube, também conhecido como Vila Belmiro, teve seu gramado totalmente reformado. O antigo havia sido retirado e um novo e moderno piso foi colocado no lugar.

A estreia ocorreu na tarde de hoje em uma partida amistosa entre as equipes femininas do Santos e a seleção da Coréia do Norte, em partida de despedida da Rainha Marta, a melhor jogadora do mundo por 5 vezes. Marta deve voltar para os Estados Unidos.

As meninas da Federação Paulista de Futebol foram as árbitras da partida, comandada pela árbitra Regildênia Holanda de Moura e pelas assistentes Renata Ruel e Clarice Ferreira.

O técnico Adilson Batista aprovou e elogiou o gramado, e a equipe principal vai estrear na próxima sexta-feira, em jogo contra o Noroeste, válido pela oitava rodada do Campeonato Paulista. A equipe profissional deve fazer treinos durante a semana para se ambientar ao seu novo palco.

A troca do gramado da Vila Belmiro está sendo realizada após 14 anos. A providência foi tomada assim que o clube alugou o estádio para a realização do show de Luan Santana, ídolo teen da música sertaneja, que se apresentou na Vila no último dia 19 de dezembro.

O Santos cobrou cerca de R$ 150 mil para alugar a Vila, preço aproximado com o que está sendo gasto com a troca do gramado.

Foto: Reprodução / UOL

%d blogueiros gostam disto: